Biocombustíveis

22/12/2011 16:23

Bacharelado

Esse tecnólogo detém conhecimento dos processos de obtenção de biocombustíveis sólidos, líquidos e gasosos, provenientes de produtos como cana-de-açúcar, carvão vegetal e plantas oleaginosas (girassol, dendê, soja, amendoim, mamona), entre outros. O tecnólogo atua na cadeia de produção, no desenvolvimento de produtos bioenergéticos - como o álcool combustível e o biodiesel - e no controle da produção e da qualidade das fontes alternativas de energia. Também cuida do gerenciamento, monitoramento e controle da matéria-prima, logística, vendas, segurança do trabalho e gestão de recursos humanos de empresas do setor. Outra responsabilidade desse profissional é analisar se a produção afeta o meio ambiente. Pode atuar em usinas, destilarias, na agroindústria ou como consultor, com a prestação de serviços às empresas do setor.

O mercado de trabalho

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil possui uma matriz energética com 46% de fontes renováveis, o que leva o país a ocupar uma posição de destaque no planeta. O Brasil já é líder mundial na produção de álcool etílico (ou etanol) e pioneiro no estudo do biocombustível. Diante disso, existem boas perspectivas para o tecnólogo. Há procura para trabalhar tanto na produção agrícola quanto na pesquisa e produção de matérias-primas, como plantas oleaginosas e madeira, a serem usadas em empreendimentos geradores de bioenergia. Empresas como Bertin, Biocapital e Hyundai podem ter interesse nesse profissional. A maior demanda se concentra nas cidades do interior de São Paulo, mas existe um mercado em expansão em outros estados, como Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Paraná e Bahia. "Até em países vizinhos, como Colômbia, pode haver portas abertas para o profissional", afirma a professora Gisele Gonçalves Bortoleto, coordenadora do curso da Fatec Piracicaba.

O curso

O curso mescla disciplinas da área de administração com aquelas ligadas à bioenergia. Assim, o aluno estuda contabilidade, logística, desenvolvimento de mercado, sociologia e filosofia. Além disso, aprende química, biologia, física e preservação ambiental, processos de biodiesel e álcool e gestão da produção. Há muitas aulas práticas. Em química, por exemplo, faz análise do teor de sacarose da cana e verifica a acidez numa amostra de óleo. Já na usina-piloto, ele acompanha a produção do biodiesel ou do álcool e monitora o andamento do tratamento de efluentes.

Duração média: três anos. Outro nome: Bioenergia.

 


Professora: Adriana Oliveira / Desing: Vinícius Delfino