Obstetrícia

22/12/2011 15:50

Bacharelado

É o conjunto de técnicas e conhecimentos usados para gestantes, parturientes, recémnascidos e familiares. O bacharel cuida do atendimento à gestante no período de pré-natal e parto, visando à normalidade no nascimento e à qualidade da saúde da mulher. Também presta assistência no pós-parto às mães e a recémnascidos durante o período neonatal - primeiros 28 dias de vida - e dá apoio psicológico à família da gestante. Atua em postos de saúde, unidades básicas, casas de parto, hospitais, maternidades e clínicas, tanto do setor privado como do público, e está habilitado a realizar parto normal com uma equipe médica ou mesmo sozinho. Pode atender em domicílio, auxiliando o parto normal. No pré-natal, faz os procedimentos para verificar se a gestação está transcorrendo bem, como a medição da circunferência da barriga e o controle da pressão arterial. Pode pedir exames médicos, como ultrassonografia. Caso haja problemas com a mãe ou o bebê, encaminha a paciente ao médico especialista.

O mercado de trabalho

O profissional ainda é novo no mercado de trabalho e os contornos de sua atuação são bem vagos. A primeira turma de graduação se formou no fim de 2008, na USP, campus Leste. O curso de obstetrícia possibilita a formação universitária de parteiras profissionais, o que já ocorre em vários países da Europa. No Brasil, o bacharel ainda não tem o necessário reconhecimento do Conselho de Enfermagem para trabalhar na rede pública de saúde, o que impossibilita sua contratação nesse setor. A opção para o formado é atuar como autônomo, realizando partos naturais em casa e prestando assistência particular a gestantes. "Em São Paulo, a demanda é por profissionais que acompanhem não só o parto, mas também o pré e pós-natal", diz Ana Cristina Duarte, obstetriz formada na primeira turma da USP e fundadora do Grupo de Apoio à Maternidade Ativa. As maternidades particulares de cidades de médio e grande portes que buscam se modernizar e oferecer serviços diferenciados são as prováveis contratantes do bacharel, para trabalhar com a equipe médica e de enfermagem, dando apoio à gestante. Também existem as casas de parto, que, apesar de serem em menor número, necessitam do profissional

Salário inicial: R$ 1.700,00 (profa. Nádia Zanon Narchi, da USP Leste).

O curso

O curso tem matérias da área de biológicas, como bioquímica, genética e farmacologia, e outras específicas, como assistência à mulher no período reprodutivo, mudanças fisiológicas na gravidez e desenvolvimento fetal. Há matérias voltadas para o aspecto social, como psicologia da mulher e políticas dos programas de saúde. No segundo ano, o estágio é obrigatório.

Duração média: quatro anos.

O que você pode fazer

Acompanhamento no pós-parto

Verificar a recuperação da parturiente durante o primeiro mês após o parto. Orientar sobre amamentação, métodos contraceptivos, adaptação da criança e planejamento familiar.

Apoio familiar

Orientar maridos sobre a importância da divisão de responsabilidades, as dificuldades que a gestante possa passar e como lidar com o bebê nos primeiros dias de vida.

Atendimento a recém-nascidos

Acompanhar o bebê durante o período neonatal, para verificar alimentação, estatura, peso e eventuais problemas de saúde.

Partos

Realizar partos normais em domicílio, clínicas e hospitais, sozinho ou com a equipe médica.

Pré-natal

Acompanhar e orientar física e emocionalmente a gestante durante toda a gravidez, realizar procedimentos de consultório, como a medição da pressão arterial, e solicitar exames para verificar as condições da mãe e do bebê.

Saúde da mulher

Preparar a paciente para exames ginecológicos em laboratórios de análises clínicas.

 


Professora: Adriana Oliveira / Desing: Vinícius Delfino